Mundo
Polícia chinesa está usando dados de celular para rastrear manifestantes 02/12/2022

As autoridades chinesas estão usando dados de celulares para rastrear manifestantes que se manifestaram contra as rígidas restrições do governo à Covid em Pequim, de acordo com a gravação de um telefonema entre um manifestante e a polícia ouvida pela CNN.

 

 

Centenas de manifestantes se reuniram ao longo do rio Liangma, em Pequim, na noite de domingo, pedindo o fim dos incessantes testes e bloqueios da Covid. Alguns também condenaram a censura e pediram maiores liberdades políticas.

 

A extraordinária demonstração de dissidência no coração da capital chinesa terminou de forma pacífica na madrugada de segunda-feira. Mas alguns manifestantes receberam telefonemas da polícia perguntando sobre sua participação.

 

Um manifestante disse à CNN que recebeu um telefonema na quarta-feira (30) de um policial, que revelou que foi rastreado porque o sinal de seu celular foi gravado nas proximidades do local do protesto.

 

A CNN não está citando nenhum dos manifestantes nesta história para protegê-los de represálias.

 

De acordo com uma gravação da conversa telefônica ouvida pela CNN, o manifestante foi questionado se eles foram ao rio Liangma na noite de domingo. Ao negarem estar ali, a pessoa que ligou perguntou: “Então por que o número do seu celular apareceu aí?”.

 

Na China, todos os usuários de telefones celulares são obrigados por lei a registrar seu nome real e número de identificação nacional com provedores de telecomunicações.

 

O manifestante também foi instruído a se apresentar a uma delegacia de polícia para interrogatório e assinar um registro por escrito.

 

Quando perguntaram por que tinham que obedecer, a pessoa que ligou disse que era “uma ordem do Departamento Municipal de Segurança Pública de Pequim”, segundo a gravação.

 

A CNN entrou em contato com o Departamento Municipal de Segurança Pública de Pequim para comentar.

 

Alguns manifestantes tomaram precauções para não serem rastreados ou identificados.

 

Uma manifestante disse à CNN que manteve o telefone no modo avião durante a manifestação e não havia sido contatada pela polícia até a tarde de quinta-feira.

 

Embora protestos sobre queixas locais ocorram na China, a atual onda de manifestações não tem precedentes desde o movimento pró-democracia da Praça Tiananmen em 1989.

 

Desde que o líder chinês Xi Jinping chegou ao poder em 2012, o Partido Comunista reforçou seu controle sobre todos os aspectos da vida, lançou uma repressão abrangente contra a dissidência e construiu um estado de vigilância de alta tecnologia.

 

O aparato de segurança da China agiu rapidamente esta semana para reprimir os protestos em massa que varreram o país, mantendo uma forte presença policial em locais onde multidões se reuniram no fim de semana, ou planejavam fazê-lo.

 

Em Xangai, onde ocorreram alguns dos protestos mais ousados ​​com multidões pedindo a remoção de Xi em duas noites consecutivas, a polícia vasculhou os celulares dos moradores nas ruas e no metrô em busca de redes privadas virtuais (VPNs) que podem ser usadas para burlar o firewall de internet da China, ou aplicativos como Twitter e Telegram, que embora proibidos no país, têm sido usados ​​por manifestantes.

 

A polícia também confiscou os celulares dos manifestantes presos, segundo dois manifestantes que falaram à CNN.

 

Um manifestante que foi preso no fim de semana disse que foi instruído a entregar seu telefone e senha à polícia como “evidência”.

 

Eles disseram temer que a polícia exportasse os dados de seu telefone depois que ele foi confiscado pelos policiais, que lhes disseram que poderiam recuperá-los uma semana depois.

 

Outro manifestante disse que a polícia devolveu o telefone após a libertação, mas os policiais deletaram o álbum de fotos e removeram o aplicativo de mídia social WeChat.

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Cnnbrasil.com